Páginas

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Inacabada



Nossa música voltou a tocar no rádio. Quase não percebi, fui pega de surpresa, distraída fazendo qualquer outra coisa com aquele som ao fundo, baixinho, e de repente os acordes que eu tanto conhecia começaram a embalar meu coração.

Minha primeira reação foi sorrir, aquele sorriso cansado, de quem recorda um passado com saudade, sabendo que ele não vai mais voltar.

Logo, lágrimas começaram a brotar em meus olhos e rolaram suavemente por minha face. Lembrei teu toque, tua boca, teu sorriso e teus olhos nos meus.

Você, e apenas você conseguiu mudar aquela menina tola. As dúvidas, as inseguranças e todos os defeitos que você deixou para trás me fizeram olhar no espelho de uma maneira diferente. Te vi me aceitando por inteiro, de uma maneira que ninguém antes havia feito. Se você conseguia, porque eu não conseguiria?

- Somos seres imperfeitos, são esses “pequenos defeitinhos” que nos fazem especiais. Como a cicatriz no ombro que você insiste em maquiar mostra tua história, ou essa teimosia irritante que te faz correr atrás dos teus desejos não importa o que digam.

Você sorria em meu ouvido enquanto traçava a cicatriz em meu ombro. Até hoje quando fecho os olhos consigo sentir teu toque.

Você dizia que eu era tua menina, teu projeto de mulher. O projeto continua inacabado, afinal, como você sempre disse, nunca seremos concluídos, mas você não continua acompanhando o desenvolvimento dessa obra como projetista principal.

Hoje já não maquio a cicatriz, aprendi a usar minha teimosia de maneira correta, aceitei meus defeitos e vi minhas qualidades.

A música termina, mas suas lembranças não. Você eu tenho em mim. Sempre.

Um comentário:

Ana Emília Castro disse...

Tão bonito. Suspirei e aqueceu meu coração.