Páginas

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Pra quem não merece

Tentei mais de uma vez não te fazer personagem dos meus textos, tentei evitar escrever teu nome, dar vazão aos meus pensamentos e transformá-los em palavras. Tentei, mas não consegui.

Não, você não merece mais do que alguns minutos do meu tempo, talvez uma pausa no trabalho, ou aqueles segundos perdidos na fila do banco. Você não merece minhas frases, talvez apenas uma conversa amena sobre o tempo ou palavras trocadas enquanto se espera o taxi chegar. Mas por incrível que pareça você mereceu um texto meu.

Mereceu porque foi o único capaz de olhar pra mim e perguntar por que eu não sorria, o único capaz de querer saber por que eu caia aos pedaços e me abraçar quando eu achei que não suportaria mais. Você me manipula e sabe exatamente disso, eu sei também, mas não faço nada para impedir. Nunca foi e nunca será o cara certo, mas foi o único que ficou quanto todos os outros se foram. E quando não entendem como gosto de ti conhecendo todo teu passado e toda tua personalidade é porque eles nunca te viram me olhando com aqueles olhos de quem vê dentro de mim, ou sussurrando no meu ouvido como o dia pode ficar melhor quando estamos juntos. Não entendem como você me faz bem e mal ao mesmo tempo, porque na verdade nem eu mesmo entendo.

E quando você diz que vai voltar pra ela eu sorrio, porque sei que nunca conseguiria ficar muito tempo com você. Não que eu não quisesse, mas eu não suporto essa tua mania de querer voar e não se acomodar a mim, e eu não conseguiria te dividir com mais ninguém.

E é por isso que te coloco hoje em mais um texto que ficará na minha gaveta – aquela que você sempre quis abrir e eu nunca deixei, ela é uma parte de mim que é só minha – mais um, junto de tantos outros escritos a pessoas que merecem talvez menos que você.

Um texto pra quem não merece minhas palavras, pra tentar tirar aqui de dentro alguém que não merecia ocupar um lugar em mim.

Um comentário:

cecilia disse...

Colocamos no papel tudo aquilo que transborda de nós. E quantas vezes gostaríamos que essa pessoa lesse e entendesse talvez. Mas é melhor apenas escrever e saber que escreve mas sem nem se quer saber a razão.
Beijos Tay