Páginas

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Garotos Perdidos

Foto retirada do Flickr


Pés descalços, roupas rasgadas e algumas drogas nas mãos. Dois garotos se exibem diante da câmera de um fotógrafo qualquer. Mostram rostos sorridentes e uma postura de quem pode tudo.

Mas eu sei que não é assim. E você também sabe.

São eles os garotos por quem passamos todos os dia, os que imploram comida ou uma moeda qualquer nos faróis de tantas ruas. São para eles que viramos o rosto, atravessamos a rua e fingimos não ver tanta pobreza em um país tão rico. Meninos que conhecem muito mais da vida do que eu, que são obrigados a se fazerem fortes para poder acordar todos os dias nessa vida miserável. Um deles quer ser traficante como o irmão mais velho, o outro aidna não sabe, mas provavelmente seguirá o mesmo caminho. Claro, se no meio da história não forem mortos por uma arma ou pelo pó branco que carregam.

Garotos perdidos que buscam nas drogas sua passagem para a tão sonhada "Terra do Nunca", obrigados a crescer mais cedo e esquecer o que realmente são: crianças. Desde cedo aprendem que não há espaço para eles nesse mundo que mais exclui do que acolhe, e se obrigam a viver à margem da sociedade, sem perspectiva de vida e desprovidos de privilégios que muitas vezes ignoramos: uma família, comida na mesa, uma cama quente para dormir.

Nós sentimos pena, nos compadecemos nos segundos em que olhamos a fotografia, mas continuamos nossas vidas, fingindo que não nos afeta, dando uma esmola ou outra de vez em quando, e esperando sentados que alguém faça alguma coisa.




post para o Mil Palavras

2 comentários:

Chica disse...

Ficou muito bom teu texto! É assim mesmo...Esperamos que façam!beijos,chica

Irene Moreira disse...

Tay
Excelente apresentação. Triste realidade ... Qual a solução? Cadê que deve se preocupar?
Parabéns
Beijos